A moda das décadas – dos anos 20 aos 00

Olhar para o passado pode ser uma grande fonte de inspiração de moda. Tantas décadas já se passaram e o que vestimos hoje tem referencias de outros tempos. Para entender um pouco mais das tendências através do tempo, nós fizemos um compilado das maiores tendências de moda dos anos 20 aos anos 2000. Vem com a gente!

 


A silhueta dos anos 20 era tubular, com os vestidos mais curtos, leves e elegantes, geralmente em seda, deixando braços e costas à mostra, o que facilitava os movimentos do corpo. As meias eram em tons de bege, sugerindo pernas nuas. O chapéu, até então acessório obrigatório, ficou restrito ao uso diurno. O modelo mais popular era o “cloche”, enterrado até os olhos, que só podia ser usado com os cabelos curtíssimos, a “la garçonne”, como era chamado.

 

Os anos 30 começou marcado pela queda da bolsa de valores de Nova York e a exuberância dos anos 20 deu uma esfriada. As saias ficaram longas e os cabelos começaram a crescer. Os vestidos eram justos e retos, muitas vezes usado com uma capa ou um bolero. Em tempos de crise, materiais mais baratos passaram a ser usados em vestidos de noite, como o algodão e a casimira.
O corte enviesado e os decotes profundos nas costas dos vestidos de noite marcaram os anos 30, que elegeram as costas femininas como o novo foco de atenção.

 

Já nos aos 40 entramos no período de guerra no qual houve a escassez de produtos e as pessoas foram incentivadas a deixar a moda mais racionada reciclando as roupas e as fazendo em casa para melhor economia, já que em tempos de guerra a moda passa a ser algo necessário e menos ostensivo. Logo as mulheres precisam de um guarda-roupa com menos peças porém com maior versatilidade.
Muitas das roupas dos anos 40 tinham ombros arredondados, mangas largas, corpetes cheios com cintura moldada. Silhueta estreita e cintura marcada. As saias eram retas com pregas invertidas para facilitar o movimento.

Com o fim dos anos de guerra e do racionamento de tecidos, a mulher dos anos 50 se tornou mais feminina e glamourosa, de acordo com a moda lançada pelo “New Look”, de Christian Dior, em 1947. Metros e metros de tecido eram gastos para confeccionar um vestido, bem amplo e na altura dos tornozelos. A cintura era bem marcada e os sapatos eram de saltos altos, além das luvas e outros acessórios luxuosos, como peles e jóias.
Essa silhueta extremamente feminina e jovial atravessou toda a década de 50 e se manteve como base para a maioria das criações desse período. Apesar de tudo indicar que a moda seguiria o caminho da simplicidade e praticidade, acompanhando todas as mudanças provocadas pela guerra, nunca uma tendência foi tão rapidamente aceita pelas mulheres como o “New Look” Dior, o que indica que a mulher ansiava pela volta da feminilidade, do luxo e da sofisticação.

A grande protagonista dos anos 60 foi, sem dúvida, a minissaia. A inglesa Mary Quant divide com o francês André Courrèges sua criação.
André Courrèges operou uma verdadeira revolução na moda, com sua coleção de roupas de linhas retas, minissaias, botas brancas e sua visão de futuro com suas  roupas espaciais, metálicas e fluorescentes. Enquanto isso, Saint Laurent criou vestidos tubinho inspirados nos quadros de Mondrian e o italiano Pucci virou mania com suas estampas psicodélicas. Os tecidos apresentavam muita variedade, tanto nas estampas quanto nas fibras, com a popularização das sintéticas no mercado, além de todas as naturais, sempre muito usadas.

O início dos anos 70 herdou o visual hippie, com suas calças boca de sino e vestidos românticos, cheio de flores e franjas. As estampas psicodélicas e coloridas, tão reproduzidas durante toda a década, tiveram origem em 1969, na famosa coleção do estilista italiano Emilio Pucci. Mas os anos 70 também foram marcados por um estilo eclético teve muitas referências de outros movimentos culturais como o black power e punk.

Os anos 80 foram marcados pelas roupas super extravagantes, da ombreira à manga morcego, contrastando com os hippies de uma década antes. A moda era influenciada pelos videoclipes e as mulheres yuppies que entraram para o mercado de trabalho.
A cantora Madonna foi um grande ícone da moda exibindo suas roupas anos 80 com muito brilho, ombreiras e mix de acessórios. Mas um dos marcos do seu estilo foi a liberdade feminina na hora de escolher o que vestir.

 

O que inspiravam as criações de moda dos anos 90 era o estilo Grunge, calças despojadas, bermudas largas e cós alto, camisas xadrez, Calças pantalonas, estampas como as de cobra, zebra e onça eram as queridinhas. Além dos blazers com modelagens acinturadas. As cores eram vivas e vibrantes.
O Slipdress foi uma das roupas mais duradouras da década. Alças fininhas mal seguravam os vestidos de seda, trocando os babados pesados dos anos 80 pela facilidade minimalista e leve.

No início da década, a tendência na moda dos anos 2000 era a paleta de cores escura e metalizada. Blusas de malha, lenço ou bandana, saias plissadas ou de couro e sapatos pesados eram muito populares. O começo do milênio também foi marcado pelo forte uso do jeans em camisas, calças e jaquetas. As calças femininas eram de cintura baixíssima em modelos justos e cargo. Para as blusas, a tendência da vez estava nos decotes ombro a ombro, um ombro só e tomara que caia, além de regatas com alças bem finas e tops de bandanas.

 

Gostaram do nosso compilado? Com qual década você se identifica mais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *